a regra da web 2.0: me engana que eu gosto

Share

eu vivo só. de manhã ligo o rádio na CBN, em parte para ouvir notícias, em parte por me sentir rodeado de pessoas que já fazem parte da minha vida.
eles me conhecem? não. estão falando comigo? não. mas a ilusão é bem-vinda.
novelas também são assim: elas entram “de graça” nas nossas casas e passam a fazer parte da nossa vida caseira. os personagens são mais reais que os atores.
e comunidades online, até que ponto não se parecem com isso? quantos de nós não “sintonizamos” listas apenas para ouvir o zunzunzum todo dia? e aqueles que efetivamente interagem, até que ponto estão realmente “conversando”, já que email não é conversa, mas solilóquio com direito a réplica? se eu nunca vi meu interlocutor digital, quem me garante que não estou fantasiando sobre quem e como e por quê ele é?
em suma: a tecnologia avançou mas talvez estejamos cada vez mais reféns da nossa imaginação, cada vez mais expostos a quimeras e fantasmas, cada vez mais sujeitos a paixões vazias. em suma: pense duas vezes. reveja. e, por favor, ouça e passe adiante e comente e divulgue o que talvez seja minha reflexão mais importante nos últimos tempos

Leave a Reply